expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O inexplicável amor

        Tentem se imaginar nesta história que vou contar que é baseada em fatos reais. E deixe que ela te leve a uma profunda e pessoal reflexão, e só então decida ou perceba se ela mudou você em algum aspecto. Mas lembre-se de palavra alguma volta vazia.
         Um homem conseguiu comprar uma imensa fazenda. Ele todo feliz e orgulhoso, ficava admirado com toda a beleza. Certo dia, ele decidiu que já era hora de dividir aquelas terras com algumas pessoas que ele conhecia.
         Com o passar do tempo, o filho daquele homem passou a fazer a vontade de seu pai. Amar, cuidar, respeitar, ser fiel, ensinar todas aquelas pessoas. Esse filho era coberto por uma compaixão, um amor para com todos aqueles. Era fascinante. Ele era extremamente obediente ao seu pai. Nunca questionava. Nunca pestanejava. Não sentia raiva, magoa ou inveja.
         Depois de vários anos, aquele povo cujo recebeu pedaços da terra daquele homem, começou agir de forma rebelde. Criando intrigas, cometendo assassinatos, mentindo para prejudicar uns aos outros. Decepcionando cada vez mais aquele homem.
         Ainda decepcionado, ele sabia que para limpar, para purificar aquelas pessoas que agiam de forma errada, teria que sacrificar seu filho amado. Ele teria que fazer isso para salvar aquele povo, de toda aquela maldade que eles mesmos estavam criando e cultivando. E assim ele fez.
         Sem responder, sem tristeza no coração, sem pestanejar, o filho obedeceu a seu pai mais uma vez, como sempre fazia. O pai então sacrificou seu único filho pela vida de todo aquele povo que estava revoltado. E tudo por amor.
         E assim foi consumado. Seu filho foi morto da forma mais humilhante. Com pedradas, chicotadas, xingamentos, calúnias, espinhos em sua cabeça, pregos.    
         Muitos ainda não reconhecem todo o sacrifício deste pai. Entretanto, muitos como eu, somos gratos eternamente por tamanho gesto.
         Sabe por que sou grata? Por que me inclui nesta história? Lembra que eu disse que esta história é baseada em fatos reais? Então, o pai dessa história é Deus, seu filho Jesus, e aquele povo da história somos nós. Sim nós todos, mesmo que você não acredite em Deus, mesmo você que não o aceite como Único e Suficiente Salvador.
         Sei que você deve estar pensando: ”Ah! Lá vem essa história de novo!” Para você que pensa assim, lamento te informar, mas se você não ver o que sempre esteve diante dos seus olhos, se você não ouvir o Espírito Santo bater na porta de sua vida, sua alma; se você não reconhecer todas as coisas que Deus fez e faz por você, seu final será tenebroso. E olha que tenebroso é pouco.
         Deus mandou Seu filho para morrer por nós para vivermos para Ele, como forma de amor e gratidão por tudo de bom que Ele faz por nós. Deus enviou Seu filho para morrer por nós para que possamos nos reconciliar com Ele. Pois em Jesus, o amor Dele é revelado. Jesus é a maior expressão de amor para conosco. E, mesmo assim existem pessoas que são incapazes de reconhecer isto.
         Todas aquelas chicotadas, xingamentos, pedradas, era para nós. Já imaginou chicotes com três pontas, rasgando seu corpo. Os cortes provocados por estes tipos de chicotes eram tão profundos que provocavam a laceração dos músculos. Pois é, estas chicotadas eram para você e para mim.
         A coroa de espinhos que aqueles soldados colocaram na cabeça de Jesus eram como uma condenação por pensamentos pecaminosos. Jesus não tinha pensamentos assim, mas nós sim.
         Os pregos nas mãos eram para todos nós que tocamos em coisas impuras. Os pregos posto nos pés de Jesus eram para nós. Por cada lugar impuro que fomos.
         Jesus passou por tudo isso, para que não sofrêssemos esta humilhação. Jesus passou por tudo isto para que você fosse livre de todos os seus pecados. Para que não houvesse nenhuma condenação sobre o povo de Deus.
         Diante disso, você vai dizer que não pediu para Jesus ou Deus faz isto por você, não é mesmo?! Mas te pergunto, você pediu para seu pai terrestre te alimentar, te vestir, te proteger quando bebê. Não né?! Porém seu pai fez de tudo para que você tivesse o melhor por te amar. Da mesma maneira é Deus. Ele te ama tanto, mais tanto, você é tão importante para Ele que Ele enviou Jesus para que fossemos libertos de todos os nossos pecados.
         Enfim, somos livres. Mas ainda sim, alguns ainda estão presos numa vida de incredulidade, uma vida pecaminosa sem reconhecer o que Deus fez por nós.
         Não fique preso numa vida que parece ser boa. Pois essa vida pode até te dar sempre o que você quer, além de uma falsa alegria, uma felicidade vazia, entretanto somente Deus pode te dar o que você realmente necessita, além de paz, e uma felicidade completa e segura.

  
Pense nisso!
Fica a dica!
                                                                    (Fernanda Muniz)

sábado, 21 de janeiro de 2012

O medo



         O medo é um dos sentimentos mais traiçoeiros. O medo excessivo leva ao erro.
         Por medo você para quando deveria prosseguir. Desiste quando deveria lutar e luta quando deveria se entregar. Precipita-se quando deveria ser paciente, espera quando deveria agir, esconde quando deveria mostrar, nega quando deveria assumir, chora quando deveria sorrir, fica acordado quando deveria dormir e dorme quando deveria ficar acordado. Fica desprotegido, exposto quando deveria se preservar, fala quando deveria ficar calado e se cala quando deveria falar.
         Entretanto, não há nada de absurdo ou errado em ter medo. É inevitável. E acredite, precisa ter coragem para assumir seus medos.
         Agora, é certo que há algo que domina totalmente seu medo. A fé. Ter fé é confiar. Confiar que por mais difícil que seja a situação, tudo acabará bem. É confiar que você terá forças mesmo quando a força te faltar. Ter fé é confiar em Deus. É confiar que mesmo vivendo um momento ruim, Deus tem algo muito melhor e maior para sua vida.
         Logo, se o medo induz ao erro e a fé nos leva ao acerto, porque ter somente medo e não fé? Porque deixar o medo atrapalhar sua fé? É preciso ter mais coragem para aprender a ter fé do que assumir seus medos. Então seja o mais corajoso que você puder.

Pense nisso!
Fica a dica!

                                                                  (Fernanda Muniz)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Atendendo a pedidos: Preconceito- Parte II

          Certamente ainda ficou muito por dizer sobre preconceito, então atendendo a alguns pedidos vou continuar falando de outras situações que infelizmente geram preconceitos dos mais variados tipos.
         A impressão que se tem é que ter preconceito está na moda. É moda ter preconceito? Se for, eu sempre vou ficar fora de moda.
         Claro que não somos obrigados a concordar com algumas filosofias de vida, ou alguns ideais. Não somos obrigados a concordar com tudo, mas devemos respeitar todos. Sim, isto é muito complicado. Principalmente, porque em algumas situações acabamos entrando em conflito com nós mesmos.
         Outros fatores estão relacionados com preconceito além de cor de pele, situação econômica, falta de alguns conhecimentos, tais como o homossexualismo, deficiência física ou mental, xenofobia... Sinceramente, acho que qualquer ato pode causar certo preconceito.
         A nossa realidade é simples. Para onde quer que olhemos existe o preconceito. E isso tem que parar!
         Por mais que você seja contra ao homossexualismo, não seja contra o homossexual. Contra no sentido de acepção. Ele é quem escolhe o tipo de vida que quer levar. Acredite, é possível ser contra uma escolha e não ser contra a quem escolheu. Só porque um homem ou mulher “escolheu” ser homossexual sendo você contra o homossexualismo, você vai agredir ou humilhar a pessoa? Fala sério, né!
         Se a pessoa possui uma deficiência ela é digna de pena?! Quem disse isso? Não acredito que uma pessoa que tenha qualquer tipo de deficiência seja digna de pena. Pelo contrário, essas mesmas pessoas merecem todo o nosso respeito e tem muito a nos ensinar.
         Ou então se pertence a uma cultura diferente da nossa é motivo para ser menosprezado. Uma coisa em nada tem a ver com a outra. Podemos aprender muito com outras culturas.
         Se para acabar com o preconceito devemos nos enfrentar, ou entrar em conflito com nossas ideologias, então que façamos isso logo. Pois o maior problema do mundo é justamente o preconceito. Uma vez que por preconceito, deixamos de ajudar os mais necessitados, ou os viciados, ex- presidiários que querem mudar de vida, tratamos com indiferença pessoas que tem escolhas diferentes da nossa ou por serem deficientes.
        
                                                                           (Fernanda Muniz)

Reflita! E se você possui algum tipo de preconceito, MUDE!

Fica a dica

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Preconceitos

            Para onde quer que olhemos, vemos que há um sentimento tomando conta de  nossa sociedade de forma torpe. Um sentimento mesquinho, sujo, errôneo.  Um sentimento chamado preconceito.
            Escutamos mães dizendo: “ Meu filho não vai brincar com aquele menino. Ele nem é da mesma condição social.” Ou, pais dizendo: “ Minha filha! Minha filha nunca vai namorar alguém que não seja da mesma cor.”  Ou alguma mulher dizendo: “ Eu  não vou sair com ele. Ele é pobre e vive falando errado.”
            Queridos, as pessoas valem pelo que elas são sim. Mas o que elas são por dentro. Afinal, uma situação financeira, ou a falta de certos conhecimentos, ou até mesmo  cor de pele, não define ninguém.
            Uma pessoa não é mais legal por ser branquinha de olhos azuis.  Muito menos é mais especial por ter o carro do ano. Sabe aquela frase bem popular que diz: O que adianta ter capa e não ter conteúdo!” Pois é! Ela está coberta de verdade. Algumas pessoas se prendem muito em valores errôneos e se esquecem dos verdadeiros valores.
            Pense bem, e se fosse com você? Você gostaria de ser definido ou tratado com desprezo só pelo fato de você ter pouco dinheiro, ou pela sua cor de pele, ou por tantas outras coisas que serve de motivo esfarrapado para preconceitos?
            Você vale pelo o que tem? O seu valor depende da sua cor de pele? Sua aceitação na sociedade tem que depender da sua condição econômica? Você é mesmo definido pelas  suas dificuldades ou você é quem define quem você é?
            Se a resposta é: Eu defino quem eu sou!  Então meu querido, pegue seu preconceito tolo e jogue pela janela, não, faça melhor, enterre.  Mas se sua resposta é: As pessoas têm razão! Volte ao início desse post e leia novamente, mas desta vez meditando nestas simples palavras.
            Entenda e aprenda: Não julgueis para não ser julgados! O julgar significa ter preconceitos, falar mal, ignorar a pessoa, condenar...

            Pense nisso!
            Fica a Dica!
                                                                                              (Fernanda Muniz)

domingo, 8 de janeiro de 2012

Ilustração

         Ela: Estou tão feliz com você. Tenho tudo o que preciso.
         Ele: E eu com você. Você me alegra de uma forma. Sempre darei a você tudo o que você precisa.
         Ela: Que lindo! É mesmo! Você tem me dado cada presente maravilhoso.
         Quando de repente, aparece um outro homem. Declarando o seu amor por ela.
         Outro homem: Eu te amo muito mais do que ele. Eu posso te dar tudo o que você necessita. Fica comigo e serás feliz como você nunca foi.
         Ela: Eu já tenho tudo o que preciso. Você não sabe que está falando!
         Outro homem: Tanto sei, que eu tenho certeza de que ele nunca te dará o que posso dar. Você vai sofrer muito com ele, mas já que não me quer ao seu lado, eu vou embora.
         Ela: Pode ir. Eu sei que não vou sofrer. Como posso sofrer se tenho tudo o que quero? Como posso sofrer sendo tão feliz assim?
         Ele: Saia daqui. Ela já disse que quer ficar comigo, que não quer você. Ela me ama. Não ama você.
         Com essas palavras, ela consegue afastá-lo. Mas ainda sim, ele tinha a esperança de tê-la ao lado dele.
         Anos mais tarde, ela encontra com o mesmo homem que ela desprezou.
         Ela: Oi. (toda envergonhada)
         Outro homem: Oi. O que houve com você? Parece que está triste.
         Ela: Não é nada. Vai passar.
         Outro homem: Tem a ver com ele, não é?
         Ela: Como pode me conhecer tanto? Sendo que tem anos que não nos vemos.
         Outro homem: Eu sei tudo sobre você.
         Ela então começa a chorar. E com grande tristeza começa a contar o que estava acontecendo.
         Ela: Eu perdi quase tudo. E o pouco que me sobrou já não tem importância para mim. Estou desesperada.
         Outro homem: Primeiro. Pare de chorar. E me responda, onde ele está?
         Ela: Não sei. Ele me deixou.
         Outro homem: Não se preocupe. Deixa eu cuidar de você. Eu te amo muito. Vou te dar tudo de novo e ainda melhor. Somente ao meu lado você será feliz por completo.
         Ela: Eu deixo. Você me traz uma paz que não sei explicar ainda.
         Outro homem: Vem ser feliz comigo?
         Ela: Vou. Eu quero amar você cada vez mais. Quero te dar um amor puro.
         Outro homem: Você verá que serás feliz como nunca foi antes.
         Quando de repente, ele aparece. Querendo ter razão. Cheio de marra.
         Ele: Já disse que ela é minha.
         Outro homem: Não mais. Ela não te ama mais. Ela entendeu que somente comigo ela estarás protegida de qualquer coisa.
         Ela: Eu não mais sua. Você abandonou. Fiquei desesperada quando perdi tudo e onde estava você? Nunca mais quero saber de você. Suma.
         Ele: Você não me convence.
         Outro homem: Convence sim. Ainda mais se ela estiver comigo.
         Ele sem alternativa, vai embora. Mas sempre a atormenta. Entretanto, ela segue firme e feliz, mesmo em meio as dificuldades do dia a dia.

         Queridos! Está é uma ilustração para tentar representar para você como é nossa relação com Deus e o diabo.
         Estamos sempre querendo afastar Deus de nós, mas Ele em sua infinita misericórdia, nos perdoa, nos limpa, e restaura tudo o que perdemos.
         Você não precisa sofrer. Faça suas escolhas pensando no futuro. Não é errado negar a si mesmo para fazer o que é certo. Pelo contrário, tem que ser muito forte para fazer isto. O diabo pode te dar o que você precisa, mas somente Deus pode dar o que você necessita. E acredite, existe uma grande diferença entre querer e necessitar.
Pense nisso!
Fica a dica!

                                                                           (Fernanda Muniz)



Amizade verdadeira

         Está aí, uma coisa que precisamos muito aprender como vivenciar o que, de maravilhoso, se esconde em uma amizade. Mas não uma amizade qualquer. Aprenda, que nem todos que enchem a boca para dizer que é seu amigo, é de fato seu amigo.
         Amigo verdadeiro, é aquele que te adota como irmão só para compartilhar os mínimos detalhes e momentos com você. É aquele que esquece de si mesmo quando te vê triste ou com algum problema. É aquele que é capaz de se alegrar com as coisas que para ele são inúteis ou fúteis, só para arrancar um sorriso quando você estiver triste.
         Uma amizade de verdade, tem que ter entrega, companheirismo, sintonia, zelo, proteção, ajuda, humildade e lealdade. Tantas coisas. Que vai além do que se acha que é ser um bom amigo.
         Não existe um só personagem em uma amizade. Ou você é amigo ou não é. E, se não é, é melhor se afastar até para não ser hipócrita com a outra pessoa. Não use de fingimento, mentiras, favorecimento em uma amizade. Pois se a pessoa é do tipo amigo-irmão. Aquele que atura suas crises de mau humor, aquele que não seca suas lágrimas, mas as impede de cair, aquele que te escuta mesmo de madrugada quando você liga para ele. Irá se magoar profundamente, e isto, causará danos irreversíveis.
         Se você um tipo de amizade assim, e insiste em dar valor aos coleguismos, pessoas que estão a sua volta, mas sempre te deixa sozinho ou fingi nunca ter tempo. Cuidado! Você pode estar perdendo um grande amigo.
         Diga o quanto você fica satisfeito e orgulhoso por tê-lo ao seu lado. Ou simplesmente não diga nada, mas faça algo. Demonstre sempre o quanto essa pessoa te é importante. Essa é a melhor forma de cultivar uma bela, intensa e verdadeira amizade. Do contrário, você perderá e nunca mais recuperará.

Fica a dica!

                                                                              (Fernanda Muniz)

Amor



         Ainda posso lembrar-me de cada olhar seu. De cada gesto seu no começo da nossa amizade. Lembro-me de ter ouvido você dizer que nunca me amaria. Lembro-me de eu dizer que eu nunca te amaria.
         Estávamos enganados. A vida logo se encarregou nos provar isto. Em pouco tempo, fomos tomados por um sentimento forte, intenso e real. Mas ainda sim, negávamos. Dois turrões perdendo tempo.
         Cada vez que você me olhava, eu sentia meu coração disparar, corpo tremia, eu ficava tímida e ao mesmo tempo confusa. Pois eu não sabia o que pensar. Eu não conseguia entender o que motivo de eu sentir tudo aquilo e de uma forma tão intensa. Não entendia o que te fazia me olhar tanto e observar cada movimento meu.
         Até um dia, você demonstrou o porquê, mas não para mim. Isso não. Mas sim para uma amiga em comum. Lembro-me como se fosse hoje. Você disse a ela: “Quem o garoto pensa que é para falar com ela? – Logo a amiga disse: “Hey! É meu primo. E eles são amigos. Assim como vocês dois. Ou você está com ciúmes?
         Quando eu soube, logo disse que era absurdo. Você ter ciúmes de mim?! Só se estivesse louco. E eu não ligava. Então... O que não sabíamos que aquele foi nosso primeiro sinal de que havia muito amor entre nós dois.  Mas não um amor qualquer, daqueles que o tempo leva ou simplesmente apaga. Um amor eterno. Um amor puro. Um amor que nos unia em todas as circunstâncias.
         Com o tempo, acabamos assumindo. Vivemos longos anos maravilhosos. Com alegrias, brigas, ciúmes, lágrimas, mas, sobretudo, amor. Muito amor. Foi tudo tão intenso que eu ainda posso sentir seu cheiro, seu calor, seus lábios.
         Aprendi com você a amar intensamente sem medos. A amar de alma e não de coração. Aprendi que o amor pode sim, perdurar além de um túmulo. Aprendi que temos que, às vezes, colocar nossa dor no bolso para apoiar quem amamos. Aprendi a engolir orgulho para estar ao lado de quem dava sentido a minha vida. Aprendi como era ser feliz por completo. Aprendi que o leão pode se apaixonar pela ovelha. Aprendi que nosso amor é como o vento, não posso ver mas posso sentir. Só ficou faltando a aprender a viver sem você.
         A viver sem você me ligando nas horas de insônia. A viver sem suas palhaçadas, suas crises de ciúmes, suas risadas das minhas crises de ciúmes. A viver sem poder te ligar para dizer o quanto eu te amo. A viver sem teu cheiro, sua voz, seu corpo, sem poder sentir sua respiração, sua teimosia... sem tantas coisas que sentíamos quando estávamos juntos.
         Você se foi sim. Entretanto, nosso amor ainda está aqui. Como eu prometi. Bem guardadinho. No lugar que só você e eu sabemos. E sempre vai continuar lá. Pois em suas palavras: “Enquanto houver carne em meu corpo, eu vou te amar! Te amo eternamente, meu amor!”

                                                                                          (Fernanda Muniz)

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Já parou para pensar na vida que você está levando?

O dia já começa super agitado. A correria já começa no ato que se abre os olhos. Acordar cedo para começar uma rotina que parece não ter fim. E em meio a toda essa correria você mal consegue arrumar tempo para se alimentar.
         Tem um pensamento muito interessante que diz que nós passamos a vida inteira perdendo saúde para ganharmos dinheiro, quando envelhecemos perdemos o dinheiro para termos a saúde de volta, dessa maneira vivemos como se nunca fossemos morrer e morremos como se nunca tivéssemos existido. Pois bem, isto acontece pela nossa constante correria.
         O que você deixa de lado para cumprir com todos os seus compromissos diários? Esposa(o), filha(o), família, amigos....O que? De que você sente falta de não ter feito durante o dia? Já parou para pensar que você está perdendo muito tempo vivendo como se nunca fosse morrer ou como se as pessoas que te cercam nunca fossem morrer?
         Antes de continuar, permita-me contar uma pequena história de um autor desconhecido, que vi na TV uma vez: - O filho sempre procurava pelo pai para brincar ou mostrar as lições de casa, ou até mesmo as provinhas da escola. Porém, toda vez que o filho o procurava, ele dizia para ele que estava ocupado, que não tinha tempo. Essa situação se arrastou por alguns anos. O filho procurava o pai para compartilhar pequenas coisas que para ele eram grandes, e o pai sempre ocupado dizendo que as tais coisas eram inúteis. Um dia, o pai estava em uma reunião muito importante de trabalho e recebera um telefonema de sua esposa, dizendo que seu filho estava em estado grave no hospital pois havia sido atropelado. O pai então foi correndo para o hospital. Largou tudo. Saíra do escritório atordoado. Ao chegar ao hospital ainda vê seu filho com vida. Mas era tarde demais. O filho veio a falecer no instante em que viu seu pai.”
         Triste essa história, né?! Mas ela é real. Acontece todos os dias. Sempre tão ocupado que nem percebe que o mais importante de sua vida está ficando para trás. Todas as pessoas importantes deixadas de lado por dinheiro, e para que, para gastar depois recuperando a saúde que você perdeu, ao invés de gastá-lo com sua família em uma viagem, por exemplo.
         Entendam o que determina o sucesso de um homem, não é o cargo que ele alcança. Mas sim na qualidade da família que ele construiu ou na qualidade das pessoas que o cerca. A estrutura familiar faz um grande homem. Dinheiro? Isso um dia acaba e com o tempo você perde a importância na carreira que você tanto lutou para construir. Entretanto, para sua família e amigos, sua importância é e sempre será eterna.
Pense nisso, e analise a forma que você vive sua vida. Será que você está fazendo o certo em dar preferência a tantas coisas ao invés das pessoas que sempre te apoiaram?
Fica a dica!
                                                                                       (Fernanda Muniz)

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O que devemos ouvir?

Tantas opções de canções para se ouvir, umas excelentes, outras nem tanto.
            O fato é que estão chamando qualquer coisa de música, sem se preocuparem com a qualidade de som, a mensagem através da letra, melodias.
            O que tem de criança “ dançando” ao som de coisas do tipo “ vem quicando vem quicando”., o que tem de adolescentes perdendo tempo ouvindo coisas como “ Ai ai se eu te pego” “ assim você me mata”. Pessoas dizendo que “artistas” como Lady Gaga, Britney Spears, Restart, Cine, Luan Santana, Michel Telo e outras coisas, são excelentes cantores. Por favor! São extremamente desafinados.
            Você realmente acha que músicas que dizem “ na cama eu te esculacho” “ simplesmente ela é demais...”  pode de alguma forma acrescentar algo descente na sua vida? Principalmente cristãos. Ei, você que diz ser cristão. Tenha discernimento. Somos o Sal da terra e Luz do mundo. Viemos para fazer a diferença, inclusive no que escutamos.
            Não que o cristão seja proibido de ouvir o que chamamos de músicas seculares, mesmo que isto seja errado. Entretanto, se for fazer isto, escolha músicas e não esses funks, pagodes ( não me refiro ao samba, são coisas completamente diferentes), axé, forró. Podendo ouvir cantores no cenário nacional como Chico Buarque, Djavan, Maria Rita, Paula Fernandes( que apesar do ser um estilo fraco, suas músicas de arranjos simples são legais de se ouvir), vai se optar em ouvir Restart, Parangolé? No cenário internacional as opções também são bem variadas. Temos boas opções como David Gilmor, Adele, Sade, Michael Bublé, Sting, entre outros grandes.
            Pais, cuidado com o que seus filhos escutam. Isto pode sim influenciar no comportamento e escolhas deles. Se sua filha escuta coisas deprimentes e desrespeitosas como “ chupa chupa minha lingüiça” fatalmente ela achará que isso é algo normal. E não vai aceitar que o normal nem sempre é correto. Se o seu filho escuta coisas revoltantes como “Dá pra mim baby, gostoso e devagar. Suba em cima, cavalgue como em um rodeio. Você nunca ouviu um som como esse antes” – 50 cent, tradução de uma parte do 2º verso da canção Candy Shop. Essa “ música” é um claro exemplo de como seu filho pode ser influenciado a desrespeitar uma mulher. Ouvindo coisas assim ele achará normal tratar uma mulher como objeto. Entende agora como a música pode influenciar seu filho, ainda mais sendo criança.
            Queridos, claro que existem escolhas ruins no meio evangélico também. Os cantores evangélicos estão cada vez mais parecidos com cantores seculares, e não digo isto pela vestimenta somente. E, sim, pelas escolhas de ritmos. Funk, pagode, axé, forró, no meio evangélico é complicado. É complicado pelo simples fato de  todo cristão ter que fazer a diferença e buscar a comunhão com Deus. Ora, se Deus é a luz e a Bíblia diz em 2 Coríntios 6: 14-16, que não há comunhão entre luz e trevas, e o “mundo” representa as trevas, porque trazer ritmos que promovem profanação do corpo, violência, desrespeitos e até a prostituição para o meio cristão?
            Pense nisso! Embora muitos não concordam, você é o que você ouvi sim.
            Fica a dica!

                                                                                  (Fernanda Muniz)