expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 1 de setembro de 2013

Sobrevivente

    Tudo se perdeu de mim. Ainda não sei explicar, mas algo em mim se rompeu, se desfez. Inútil tentar salvar o que um amor mal vivido destruiu. Não há reparações. Às vezes o amor nos deixa marca que não sabemos explicar, e, muito menos entender.  Feridas que não cicatrizam. Lembranças antes alegres, agora vazias.
    Não há certezas. Não há vontades ou desejos. Não resta mais nada. Apenas um coração despedaçado. E onde havia sorrisos e sonhos, há lágrimas e lembranças. Lembranças de um tempo surreal que não voltará. Acabou-se o encanto, mas o amor ainda está lá. Sobrevivente.
    Sobrevivente! É assim que devo chamar esse sentimento por ti. Pois ele sobreviveu ao tempo, à distância, as lembranças vazias. E por ser sobrevivente, ele apenas me ajudou a sobreviver num mundo sem você. Posso por assim dizer, que também sou apenas uma sobrevivente.



                                                                                             (Fernanda Muniz)