expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 26 de maio de 2013

Amar é

   Amar é querer estar perto mesmo quando se está longe. Mesmo quando a distância parece absurdamente grande. Amar é querer estar longe para que a saudade invada, para que assim seja aproveitado, seja valorizado cada segundo. Para que cada momento seja eternizado.
   Amar é saber respeitar. Respeitar tempos em todo tempo. Saber o instante exato para o uso das palavras. E é saber o momento em que se deve deixar o silêncio falar.
   Amar não é olhar nos olhos, mas sim através deles. É ter a percepção quando algo não está bom, e quando tudo está ótimo. É perceber as reações e aprender com todas elas.
   Para amar é necessário entrega e renúncia. Não é se anular, mas renunciar tudo aquilo que antes era importante. É necessário dedicação. Dedicar-se as reais necessidades.
   Para amar tem que se sonhar o mesmo sonho. Percorrer o mesmo caminho. Transformar desencontros em encontros marcantes.
   Para amar não precisa de dois. Precisa apenas de um coração disposto a ser companheiro, ser fiel, ser paciente, ser bondoso, carinhoso, mesmo que o outro não saiba o quão amado é. Mas será sempre completo quando a entrega, quando a renúncia for recíproca.



                                                                                        (Fernanda Muniz)

segunda-feira, 20 de maio de 2013

A mídia e suas manipulações



     Todos os dias tentam descaradamente manipular nossas opiniões, tentam moldar nossos pensamentos. Quase que uma “lavagem cerebral” mesmo. E tudo de forma aberta, de forma armada. Com o intuito de formar zumbis e não pensadores.
Em um país onde a corrupção é arte e movimentos culturais é crime, toda e qualquer forma de tentativa de alienação da população é bem vinda. Infelizmente, aceitamos isso. Já fomos contaminados, e os poucos que ainda lutam contra um sistema quase que falido e uma mídia que se presta defender corruptos, estão sem forças. O que fazer então? Unir-se? Como? Como conseguir união em meio a tanta alienação e falta de senso?
    Precisamos, mais do que acordar, nos movimentar. Lutar. Acreditar. Pois se acreditarmos, poderemos fazer o que quisermos. Nós somos nosso próprio inimigo. Deixar que a mídia faça o quiser com nossas ideias? Francamente, mas isso já deu. Ser dominados por programas que sugam nossa inteligência? Nem perco meu tempo mais. Acho que ninguém deveria.
    Quando me refiro à mídia, não falo só da Rede Globo. Falo de todos os meios de comunicação. Outro dia estava passando por uma banca de jornal, e uma das matérias da CAPA dizia “Polícia esculacha traficante...”. ESCULACHA??? Que tipo de vocabulário esse? Tosco. E tem gente que compra. A desculpa é que é barato. Meu amigo, se for para comprar um jornalzinho desses que usa esse tipo de vocabulário para ler a notícia até você nem compra. Isso suga sua inteligência. Leia um Jornal do Brasil de vez em quando. Ou ouça rádios como a Rede Band News. Não que ela seja a melhor, não estou defendendo a Band também. Mas pelo menos ela tem mais conteúdo, um vocabulário mais rico.
    Não seja mais um alienado. Pense! Critique! Movimente-se quando quiser e da forma que quiser! Leia! Escute e examine tudo aquilo que escutar! Viva seus pensamentos e sinta tudo o que há para se sentir! Seja um formador de opinião, mas nunca um formado pelas opiniões alheias!

Pense nisso!
Fica a dica!
                                                                                                            (Fernanda Muniz)
   

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Em silêncio


   Se você soubesse do quanto te quero e o tamanho do meu desejo por você. Se você fosse capaz de interpretar, de entender cada olhar meu. Se você soubesse do que sinto realmente por ti. Eu seria mais feliz, mais completa.
   Seu olhar, seu abraço ainda que amigo, seu sorriso é tudo como um prêmio para mim. Um prêmio por ter vencido uma semana, por ter vencido os dias difíceis. Você me traz paz, me traz doçura, intensidade. Ah! Se você soubesse! Eu seria bem mais feliz, bem mais completa.
   Um novo sentimento começa a brotar. Em silêncio, ele cresce e cresce. Fortalece-se. Transborda. Mas aparentemente não tem fim. Simples assim.
   Amo cada abraço, pois nele me sinto forte. Seu olhar faz meu corpo vibrar de uma forma inexplicável. Mas ainda é um sentimento calado. Falta de coragem? Talvez. O que posso dizer é que posso lhe mostrar um sentimento que talvez você nunca tenha vivido. Um amor puro, desinteressado, intenso, sublime. Um sentimento que vai além. Vai além do que sabemos ou vivemos. Vai além do que acreditamos. Vai além para nos tornar um só.


                                                                                                  (Fernanda Muniz)