expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Honestamente

   Fim de tarde. Lindo pôr-do-sol. Meu mundo em minhas mãos. Um sonho.
   Impossível descrever tal momento. É indescritível a sensação estar ao seu lado em um momento tão silenciosamente único.
   "Nunca vi nada tão lindo!"- você disse enquanto olhava para o horizonte. Apenas me limitei a olhar para você, sem que você percebesse, e dizer: "Nem eu!"
   Honestamente, nada me apresentava maior formosura do que as belezas da natureza refletidas em seu olhar. Seu olhar é pleno, intenso, revelador. Um oceano. Honestamente, não há fortaleza terrena em que eu me sinta tão protegida quanto em seus braços. Não há.
  Há quem diga que o amor verdadeiro não exista mais. Há quem não acredite mais no amor. Se eu pudesse mostrá-las o quanto estão erradas, eu começaria contando como nos conhecemos e terminaria dizendo o quanto nos amamos, o quanto somos felizes.
   Honestamente, questiono-me todos os dias se serei capaz de fazê-lo tão feliz como sou ao seu lado. E qualquer declaração de amor aqui seria completamente redundante. Faltariam palavras para descrever como me senti ao te ver pela primeira vez. Tão perdido em seus pensamentos, em seus lamentos. E, eu quase hipnotizada por sua beleza e vendo a esperança que você era incapaz de ver.
   Honestamente, se isto não é amor, não sei então o que é. E, nem quero. Pois, dentro de minhas convicções, sei que nenhum sentimento humano me traria tanta mansidão e felicidade quanto este. Nenhum sentimento me completaria tanto quanto este.
  Honestamente, só me resta a dizer que não terei nada se eu não tiver você. E que sempre correrei em sua direção com um amor maior e uma felicidade cada vez mais plena. E, tudo o que sonhei sozinha está sendo realizado com você.


                                                                                     (Fernanda Muniz)