expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Sua partida

   Sua partida deixou um enorme vazio. Não por dependência. Apenas pela necessidade de se ter uma boa conversa, um abraço sincero, pela necessidade em sorrir espontaneamente.
   Apesar de tudo, continuo firme. Lutando para realizar tudo o que um dia conversamos, mesmo que tudo tenha ficado monótono. Continuo acreditando em tudo que passamos a sonhar juntos, mesmo sabendo que não realizaremos mais juntos. 
   Acordar com a certeza de que não nos veremos como antes e com a incerteza de que nada irá mudar só faz essa dor aumentar. Dizem que o melhor amor que existe é este que vivemos. Aquele que nasce de uma amizade. Contudo, creio que ele seja de longe o mais cruel. Pois, quando ele se torna impossível, a amizade segue sendo possível. E mais que isso. Segue forte. Cada vez mais intensa. É neste ponto que tudo fica mais cruel. As diferenças que nos separam como casal são as mesmas que nos unem como amigos. Vai entender... 
  O que sei é que sua partida fez com que tudo ficasse enfadonho. Não tenho suas gargalhadas fora de hora, suas palhaçadas. Não tenho aqueles solos de guitarra. Não tenho teus abraços, seus carinhos. Não tenho você. 

2 comentários:

Luana Melo disse...

Oi Nanda!
Amei o texto. Expressou saudade de modo sensível e sincero.
Sinto-me lendo um diário e amo isso.
Beijos amiga!
Lua.

http://luahmelo.blogspot.com

Fernanda Muniz disse...

Eu fico muito feliz que tenha gostado, Lu!
E mais ainda quando consigo fazer com que vocês sintam exatamente aquilo que eu quis transmitir em cada palavra.

Grande beijo!